Verdade inconveniente: Impostos que pagam impostos

Verdade inconveniente: Impostos que pagam impostos

É época de Imposto de Renda. Período  que se evidencia uma anomalia. Algo muitíssimo curioso que ignoramos por afetar nossa zona de conforto e/ou por simples ignorância.

Vamos exemplificar.

Imaginemos um sujeito que ganha um salário de R$ 5.000,00 mensais.
Esse mesmo sujeito, jovem, não se preocupa com o futuro, não possui um plano de previdência, nem paga um plano de saúde.
Desta forma, ele contribui apenas com o INSS, único desconto de seus proventos. Para facilitar os cálculos não vamos incluir as férias.

INSS – 482,93 pois o teto do INSS é R$ 4.390,24 (ref. março/2014) e a alíquota é de 11%.
http://www.previdencia.gov.br/inicial-central-de-servicos-ao-segurado-formas-de-contribuicao-empregado/

O seu imposto de renda, conforme cálculo no site da receita, será
http://www.receita.fazenda.gov.br/aplicacoes/atrjo/simulador/telaoptmenanu.htm

R$ 416,04 por mês
x 13 (incluindo o décimo-terceiro) = R$ 5.408,52

CapturarTabela de faixas de IR

No fim da declaração, o sujeito usando o desconto simplificado, que é o mais conveniente em seu caso, conforme cálculo no programa da receita, restituiria R$ 179,39.

Capturar2Cálculo do imposto no programa da receita

Ou seja, ele deixa para o governo, R$ 5.229,13 dos R$ 65.000,00 que ele ganhou no mês. Arredondando, 8% do seu salário.
Até aí, há as discussões normais sobre alíquotas, deveria ser menos, isento, enfim, não há nenhuma novidade.

O surreal começa a seguir.

Nosso amigo, mesmo após ter lido o post do carro 0km, acaba comprando um.
Ele paga R$ 30.000,00 num novíssimo, confortável e tecnológico 1.0 com kit visibilidade e super calotas.
No começo do ano ele precisa pagar o IPVA. A alíquota do referido imposto é de 4% (no estado de SP) do valor do carro = R$ 1.200,00.

Lembram do IR de 8%? Surpresa!!
Nosso amigo pagou um imposto de R$ 96,00 para poder pagar um imposto de R$ 1.200,00!

O mesmo acontece com o IPTU de sua casa, e com as dezenas de outros impostos embutidos nos produtos e serviços, que mal sabemos o quanto é.
No fim de 1 ano, o sujeito em questão pagou centenas de reais em imposto de renda para aí então adquirir o direito de pagar outros milhares de reais em impostos!
A solução é muito simples. É só abater do cálculo dos rendimentos considerados para o IR, os demais impostos já pagos durante o ano.
Ao menos os mais claramente bizarros como IPVA e IPTU seria perfeitamente possível.
O sistema hoje é tão perverso, imoral e insano quanto a consciência dos que são por ele passivamente explorados.
Creio que seja a única explicação plausível que leva tais sujeitos a ignorar e aceitar isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.