Capitalizando Fernando de Noronha

Capitalizando Fernando de Noronha

Segundo reportagem do Jornal Hoje do dia 26 de fevereiro, Turista tem que pagar para entrar em algumas praias de Fernando de Noronha.

Como comentou da Sandra Annenberg no final da reportagem, outros parques nacionais do mundo também cobram uma taxa de entrada, como ela mesmo citou Yellowstone e Grand Canyon.

Mas vamos fazer uma simples comparação de taxas de acesso com dados de internet:

Para visitar Fernando de Noronha:

Taxa de preservação cobrado pelo governo federal: R$ 45,60 por dia até 10º dia. A partir, a taxa diária aumenta.

Acesso ao parque por até 10 dias consecutivos: Brasileiro: R$ 65,00. Estrangeiro: R$ 130,00.

Para visitar Yellowstone:

Vamos arrendondar o dólar para R$ 2,00.

Acesso ao parque por até 7 dias consecutivos: Taxa por carro: R$ 50,00. Taxa para ciclista ou pedestre: R$ 24,00.

Passaporte vitalício para cidadãos americanos idosos (a partir de 62 anos): R$ 20,00

Acesso à todos os parques nacionais por 1 ano: R$ 160,00

Uma comparação mais justa

Para facilitar a comparação, vamos definir um fator comum: Quanto custa para um cidadão do país para permanecer ou visitar a pé os parques por 1 e  7 dias:

Yellowstone Fernando de Noronha
7 dias R$ 24,00 R$ 384,20
1 dia R$ 24,00 R$ 110,60

O preço Brasil também funciona para belezas naturais.

A área do parque

Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha

Segundo esse mapa, todo o arquipélago de 21 ilhas e ilhotas são parte do Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha, exceto a região residencial da ilha principal. Quem mora na ilha não precisa pagar a taxa de entrada no parque. Acredito que alguém que vá visitar um parente ou amigo que reside na ilha é obrigado a pagar mesma taxa federal, mas  ele não é obrigado a acessar o parque. Por último, o turista é obrigado a pagar as duas cobranças.

É aceitável que haja uma taxa para permitir que seja mantido a infraestrutura do parque, como por exemplo, limpeza, preservação e construção de estruturas que forneçam segurança ao turista, como as proteções necessárias para se visitar as Cataratas do Iguaçu. Também é aceitável que a ilha não consiga renda suficiente de seus moradores para manter estruturas como porto e aeroporto e cobre de seus visitantes.

A primeira taxa de R$ 45,60 por dia é cobrada pelo governo federal. Chama-se taxa de preservação e é usada para infraestrutura da ilha e pagamento da folha dos servidores. A segunda taxa, a de acesso ao parque de R$ 65 a R$ 130 para fornecer logística de cobrança de ingresso e melhorar a infraestrutura do parque.

Infelizmente, entende-se que há uma redundância de cobrança nas duas taxas. Já que o governo já preserva e mantém a ilha e aparentemente executa esse serviço muito bem, tudo o que dá a entender que o parque faz é cercar a praia e cobrar o acesso à ela.  Se vocês leram atentamente o parágrafo acima sobre a destinação do valor arrecadado pelo parque: “fornecer logística de cobrança de ingresso” faz parecer que tudo não passa de um paradoxo: Você paga para ser cobrado. O que nos faz pensar que “melhorar a infraestrutura do parque” deve ser aumentar o número de cobradores e modernizar o sistema de cobrança periodicamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.