Ponderações acerca do fim iminente da humanidade

Ponderações acerca do fim iminente da humanidade

Nesse momento de reflexão a menos de 4 anos do fim do mundo pelo calendário Maia, sou inundado por um sentimento de impotência diante do iminente desconhecido, e de indiferença e desgosto frente o passado.

Diante disso, encontro consolo nas palavras de Graciliano Ramos, em sua obra São Bernardo, que transcrevo abaixo.

Cinqüenta anos! Quantas horas inúteis! Consumir-se uma pessoa a vida inteira sem saber para quê! Comer e dormir como um porco! Como um porco! Levantar-se cedo todas as manhãs e sair correndo, procurando comida! E depois guardar comida para os filhos, para os netos, para muitas gerações. Que estupidez! Que porcaria! Não é bom vir o diabo e levar tudo?” (p.181).

One thought on “Ponderações acerca do fim iminente da humanidade

  1. Acho que não!

    Acho que o mais correto seria que vendessmos tudo ao diabo.

    Eu topo até parcelar, porque até onde eu sei, o diabo tem muita hombridade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.